Mídias Sociais
Facebook
Twitter
Instagram
Pinterest
Youtube

As poucas coisas importantes

Resenha de Canad, por Jlio Pimentel Pinto

As poucas coisas importantes
Júlio Pimentel Pinto

Quando Canadá, de Richard Ford, começa a se encaminhar para o final, o narrador Dell Parsons relembra os últimos momentos que passara com seu pai, décadas antes, e constata: “Ele precisava que eu fosse seu ‘filho especial’ — ainda que só por um tempo, pois sabia que coisas ruins logo lhe aconteceriam. Ele precisava que eu fizesse o que os filhos fazem pelos pais: testemunhar que eles são substanciais, que não são vazios, não são ausências ressonantes. Que eles são importantes, quando tão poucas coisas de fato o são.”

A óbvia amargura sintetiza sua vida, e outras mais: da irmã, da mãe e do próprio pai. Vidas dispersas a partir do episódio grotesco e definitivo que ocorreu quando Dell tinha quinze anos e que ele relata ao leitor de Canadá já na primeira frase do livro: seus pais cometeram um assalto. 

O tema do evento único que cifra uma vida inteira é recorrente na ficção. Borges observou que o assassinato de Cesar, na escadaria do Senado romano, explicava e justificava toda a trajetória do imperador. Gregor Samsa e Joseph K., em estranhas manhãs, também sucumbiram, atordoados, às ocorrências que os transformaram para sempre. E o Leitor de Se um viajante numa noite de inverno não podia imaginar que uma visita regular à livraria redesenhasse sua história.

É isso que se passa com Dell. Depois do assalto, o que restou foi errância: uma busca por novos lugares, onde fosse possível viver; outra busca — maior e mais complexa — pela compreensão do passado e das entranhas dos relacionamentos humanos.

Circulando pelo interior dos Estados Unidos, ele conhece gentes e terras, assiste a gestos terríveis daqueles com quem se encontra. Age meio à deriva, ignora o futuro; desvela-se então um mundo em que o passado aflige — e não só a ele. A vida aparentemente segura de seus primeiros quinze anos é trocada pelo aprendizado dos segredos alheios e das agruras do mundo, e Dell se forma na incerteza e na percepção de quão complexas são as relações humanas. 

A fronteira que ele ultrapassa para alcançar o Canadá e o semideserto em que vai morar são mais do que referências geográficas: são metáforas fortes, que Ford explora para — tal qual antes fez Faulkner — expor as fraturas de um mundo misterioso e agitado, que encobre crimes e contravenções, reúne pecados e choca, sobretudo, porque é terrivelmente comum e banal. É nele que Dell — assim como você, leitor — tenta encontrar alguma explicação: uma explicação que ajude a resistir e a sobreviver, que permita reconhecer as tão poucas coisas que não são vazias, não ressoam ausências e que de fato são importantes.
 
Júlio Pimentel Pinto é professor no Departamento de História da USP e autor, entre outros, de Uma memória do mundo. Ficção, memória e história em Jorge Luis Borges, de 1998, e A leitura e seus lugares, de 2004, ambos publicados pela Estação Liberdade. 



Facebook


Rua Dona Elisa, 116 | 01155-030 | Barra Funda | São Paulo - SP
Tel.: (11) 3660-3180
© Copyright 2017 | Estação Liberdade ® Todos os Direitos Garantidos | Desenvolvido por Convert Publicidade