Mídias Sociais
Facebook
Twitter
Instagram
Pinterest
Youtube

Opinio dos editores: "Botchan", de Natsume Soseki

O essencial Professor Tempurá

No início de 2016, uma lista proposta pelo site Estante Virtual com aqueles que seriam os “dez livros essenciais da literatura japonesa” bombou nas mídias sociais. Como qualquer lista, as ausências “inaceitáveis” deram mais pano para manga do que propriamente as escolhas que compunham o top 10. Entre as omissões sentidas, a de Natsume Soseki foi uma delas. Com uma legião de leitores vorazes por suas obras, Soseki foi de fato muito mais que um “escritor importante”: seu delirante Eu sou um gato, obra de estreia publicada em 1905, é uma leitura que surpreende até hoje; Botchan, escrito no ano seguinte e cuja edição brasileira lançamos no início deste ano (em tradução de Jefferson José Teixeira), também consegue preservar uma espécie de frescor, como se antecipasse o tipo de literatura confessional que caracteriza estes novos tempos blogueiros.

Confessional porque é conhecida a malsucedida experiência docente de Soseki junto a uma turma de estudantes secundaristas na ilha de Shikoku, exatamente o local onde ele ambienta a trama de Botchan, que acompanha a cruzada de um professor recém-formado contratado para lecionar pela primeira vez. Sendo de Tóquio, ele tem de se deslocar ao interior pelo novo emprego. Pronto: o rapaz da capital logo se torna aos olhos dos alunos o caipira às avessas porque, não bastasse seu sotaque toquiota ser uma novidade – ridícula – à audição da estudantada provinciana, a diferença de repertório vocabular é oportuníssima para alimentar os conflitos. O aluno insolente acusado de sabotar a cama do professor com um enxame de gafanhotos finge não saber do que o mestre está falando, afinal, o garoto conhece o inseto em questão como “saltão”. O que seria “gafanhoto”?

 

Algumas capas de  

Na imagem, algumas capas de traduções de "Botchan" no mundo ocidental

 

Esse personagem do professor de personalidade geniosa, que vocifera frente à pilhéria que seus discentes se esbaldam em lhe dirigir, denota paradoxalmente a sutileza com que Natsume Soseki propõe sua composição psicológica. O professor não passa, no fundo, de um pós-adolescente, um rapazola ainda tateando a maturidade que sua vida anterior não lhe proporcionara. Tendo vivido recluso até então, alheio a qualquer círculo social, ele não desenvolveu o traquejo necessário para lidar com os menores problemas do dia a dia. Mais: demonstra uma placidez existencial bovina, sem ambições de longo prazo, alguém que se formou em matemática por acaso, apenas para ser formado em alguma coisa.

Desse modo, desponta aos olhos do leitor como o típico anti-herói: a despeito de ser o narrador da história, não torcemos por ele, não nos afeiçoamos a ele, não nos sensibilizamos por ser vítima de bullying dos alunos, porque ele também tem reações e comportamentos infantis e contraditórios. A aura de superioridade cosmopolita com que desembarca na ilha – ele logo chama de “imprestável” a criança que não sabe lhe informar onde fica a escola – não demora a esfarelar, notoriamente ao se ver incapaz de resolver uma questão de geometria levantada por um aluno. “Ele não sabe, ele não sabe”, exulta a classe.

 

Edições japonesa e brasileira de "Botchan" e caricatura de Natsume Soseki 

 

Há muito humor em Botchan, em especial nas passagens em que o nosso mestre é flagrado em restaurantes locais devorando tigelas de lámen e tempurás; entre atônitos e perplexos, os estudantes veem aquele glutão insaciável como um ser de outro planeta. Mas não se deixe enganar: não há superficialidade no texto de Soseki, mas camadas de significados. Rimos das reações explosivas do personagem, mas um riso contido, quase nervoso, talvez por nos identificarmos, mesmo de forma inconsciente, com alguns dos sentimentos – negativos – que o personagem não consegue reprimir: o ressentimento, a ira, a angústia, o desencanto. Botchan é, portanto, uma leitura bem mais complexa do que “o relacionamento difícil entre professor e alunos” que sua sinopse possa sugerir: a falibilidade de seu protagonista é reveladora da condição humana. O que não é pouco. Daí que, com todo respeito às listas dos outros, é “Botchan e mais nove” nos meus japoneses essenciais.

 

Fábio Fujita é editor da Estação Liberdade.

 

Clique aqui para mais informações ou para adquirir "Botchan", de Natsume Soseki, em tradução de Jefferson José Teixeira 

Marcador de páginas da edição brasileira de  

 

Facebook


Rua Dona Elisa, 116 | 01155-030 | Barra Funda | São Paulo - SP
Tel.: (11) 3660-3180
© Copyright 2017 | Estação Liberdade ® Todos os Direitos Garantidos | Desenvolvido por Convert Publicidade