A BELA SENHORA SEIDENMAN 

É no cotidiano abalado pela ocupação alemã da Polônia que Szczypiorski busca o retrato da humanidade no século XX. O gueto judeu de Varsóvia resiste, com seus personagens marcantes, como o rebelde Pawełek Krynski, alter-ego do autor, produto do país onde convivem poloneses, judeus, alemães e outros; e o velho ferroviário socialista Filipek, que se engaja numa aliança peculiar com o alemão Müller — e toda uma rede de vizinhança — para salvar dos porões da Gestapo a bela senhora Seidenman, que enfrenta, determinada e desafiadora, seu verdugo nazista.

É importante destacar que os produtos vendidos em nossa outlet contém pequenas avarias causadas pela armazenagem e pelo tempo (páginas amareladas ou ferrugem de papel), e eventual presença de amassados, marcas, manchas, riscos, sinais de uso ou pequenos defeitos de produção. Os volumes selecionados nunca terão problemas que interfiram na leitura do conteúdo.

Caso tenha interesse em adquirir alguma obra classificada como outlet, entre em contato conosco para saber a disponibilidade e estado dos exemplares em estoque. Não é permitida a troca do produto ou reembolso.



          


ANDRZEJ SZCZYPIORSKI

Andrzej Szczypiorski nasceu em Varsóvia em 1924. Após participar em 1944 do levante contra a ocupação alemã, ficou detido no campo de concentração de Sachsenhausen. Depois de alguns anos de jornalismo, publicou seus primeiros contos em 1955, seguindo com reportagens e ensaios (entre os quais o famoso Diário da Lei Marcial, 1983) que o tornaram algo como uma consciência da nação. Uma missa para a cidade de Arras, traduzida por Henryk Siewierski e publicada pela Estação Liberdade em 2001, foi sua primeira obra editada no Brasil, e é um dos mais prestigiados romances do pós-guerra na Polônia. A bela senhora Seidenman [Poczatek, 1986], projetou sua carreira internacionalmente, sendo traduzido para cerca de vinte idiomas. Destacam-se ainda Noc, dzien i noc [Noite, Dia e Noite, 1991] e Autoportret z kobieta [Autorretrato com Mulher, 1994], entre seus mais de vinte romances. Membro do PEN-Club polonês, foi confinado por alguns meses durante a vigência da Lei Marcial, em 1981-82. Elegeu-se senador pelo Solidariedade em 1989, mas afastou-se da agremiação devido à deriva direitista e populista da mesma. Empenhou-se em cicatrizar as feridas ainda abertas entre poloneses, judeus e alemães. Faleceu em 16 de maio de 2000. 


Livro
Tradutor Henryk Siewierski
Formato 14x21cm
Páginas 240
ISBN 978-85-7448-128-9

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.