Carregadores de água, Os
R$59,00
143
Product Code: 978-65-86068-51-1
-
+

OS CARREGADORES DE ÁGUA 



Publicado na França em 2019 e agora no Brasil pela Estação Liberdade, Os carregadores de água é o mais novo romance do premiado autor afegão Atiq Rahimi. Escrito com uma prosa poética e com muitas surpresas no enredo, o livro toca em questões como o exílio, a liberdade, a afeganidade, a memória e a destruição dela.

Em 11 de março de 2001, as duas grandes estátuas dos Budas de Bâmiyân, no Afeganistão, são destruídas pelo Talibã, e em torno deste acontecimento são narradas as vidas de dois afegãos. Um deles, Tamim, que ocidentaliza seu nome para Tom, vive exilado em Paris e decide abandonar esposa e filha para ir de carro a Amsterdã se encontrar com outra mulher. O outro afegão chama-se Yûsef e trabalha carregando água em Cabul, sendo obrigado a conviver com as misérias de seu país e com a crueldade dos soldados do regime talibã.

Os destinos dos dois jamais se cruzam. Mas, com esses relatos, Atiq Rahimi conta aos leitores dois modos de ser afegão estando neste mundo que se transforma tão rápida e violentamente. As tragédias são inevitáveis neste comovente romance, mas inevitáveis são também as buscas de si, as revelações e o amor.


          

ATIQ RAHIMI

Atiq Rahimi é um autor, cineasta e artista gráfico nascido em 1962, em Cabul. Frequentou a escola franco-afegã Esteqlal e estudou letras na universidade da capital afegã. Em 1984, durante a guerra, deixou o país rumo ao Paquistão. Obteve asilo político na França, onde fez doutorado em comunicação audiovisual na Sorbonne. Suas primeiras obras publicadas no Brasil foram Terra e cinzas e As mil casas do sonho e do terror, escritas em persa e posteriormente vertidas por ele para o francês. Syngué sabour — Pedra-de-paciência, que já escreveu em francês e publicada em trinta países, venceu o prêmio Goncourt em 2008. Terra e cinzas e Syngué sabour foram adaptados para o cinema com direção e roteiro do próprio autor. Em 2018, Atiq filmou em Ruanda a adaptação cinematográfica de Nossa Senhora do Nilo, de Scholastique Mukasonga. Esteve diversas vezes no Brasil, sendo a última em 2018, para o lançamento de sua autobiografia lírica A balada do cálamo. Atualmente, vive e trabalha em Paris.