Amazônia, uma década de esperança 


O Brasil possui em seu território a maior floresta tropical do planeta. Com características de elevada importância estratégica para o país, a Amazônia tem sido vítima de um acelerado processo de desmatamento predatório. No momento sombrio que o Brasil vive, para encontrar novos caminhos, será necessário lembrar o que passou e elaborar a experiência à luz da sabedoria das ciências e das consciências que se cruzam e se atravessam no terreno do fazer humano. É o que faz João Paulo Capobianco em sua obra Amazônia, uma década de esperança.

Com um texto simples, direto e consistentemente informativo, a obra incorpora as análises conduzidas na preparação da tese de doutorado de Capobianco. Não há “informações de bastidores” nem inconfidências, mas provas documentais, depoimentos e fatos públicos sobejamente registrados que embasam suas conclusões. O autor organiza as informações de modo que possa esclarecer dúvidas e desfazer dubiedades.  A obra ainda contém prefácio com um ar de “testemunho” da ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva.



          

JOÃO PAULO RIBEIRO CAPOBIANCO

Paulistano, mas com forte influência mineira, João Paulo Ribeiro Capobianco, Biólogo, PHD em Ciência Ambiental pela USP e Vice Presidente do Instituto Democracia e Sustentabilidade, atua na preservação de florestas tropicais há quase cinco décadas. Participou da fundação e dirigiu várias organizações não-governamentais no Brasil, incluindo a SOS Mata Atlântica, onde coordenou os projetos de mapeamento e de elaboração da legislação de proteção do bioma, e o Instituto Socioambiental, onde integrou a coordenação do maior esforço já realizado no país de planejamento estratégico para a conservação e uso sustentável da Amazônia. O resultado deste trabalho foi publicado no livro Biodiversidade na Amazônia Brasileira (Editora Estação Liberdade), agraciado com o prêmio Jabuti como melhor publicação em Ciências Naturais e da Saúde e Livro do Ano, ambos concedidos pela Câmara Brasileira do Livro  em 2003. Entre os anos 2003 e 2008 foi Secretário Nacional de Biodiversidade e Florestas e Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente quando exerceu, entre outras, a função de coordenador do Grupo de Trabalho Interministerial de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia, que obteve a mais longa e consistente trajetória de queda do desmatamento do bioma já registrado na história. O presente livro traz o registro e uma reflexão sobre o trabalho desenvolvido no combate ao desmatamento da Amazônia, convertido em tese de doutorado defendida na USP em 2017, que começou a ser escrita em 2008, quando foi professor visitante da Universidade de Columbia (EUA).